terça-feira, julho 24

sem mapa

onde as brisas serão rosas cálidas
enlaçando-se ao meu desalinho
ventanias submersas no tempo
reluzindo o presságio dos mares

e após o vislumbre das ondas
me dizes que vais me esperar
às 02:15 no antigo cais
direi-te adeus com meus olhos de céu
navegante das águas bravias

no oceano sem mapa em que partes
choverá por todo o gélido inverno
e as águas do céu serão tuas
beberás cada gota de mim

7 comentários:

Mônica Montone disse...

passionaaaaaaaal..... rs*

beijos, querido

MM

Mônica Montone disse...

ei, moço, te linkei

beijocas

MM

Carol Montone disse...

Putzs .......beberas cada gota de mim....adorei e também escorro na boca de quem quero e amo....depois fico tentando em reabsorver para tentar voltar a ser eu....dá um trabalhão...
beijos
Carol

diovvani mendonça disse...

Du-CarValho, camarada!!! Sim, para ser guardado em tonel de carvalho. Inclusive, posso levá-lo para engarrafar na árvore dos poemas lá em casa?

E como coincidência pouca é bobagem, esse seu poema, lembrou-me uma outra letra duma música que fiz há algum tempo e que está no meu primeiro CD - Mandala Sonora:

ANDARILHO DAS ESTRELAS

Segue seu caminho agora
Pegue sua trilha e vai embora
Monte em seu Cavalo de Aço mete a espora
Deixe que o vento te diga a direção

Agora que sabe
que o passado ficou pra trás
Que o futuro não existe
mas é no útero de sua escuridão

Que se revela o presente de todo dia

Segue seu destino sem volta
pegue sua mochila e caia mundo afora
Monte em seu cavalo alado tire a espora
Deixe que o tempo invente sua canção

Vá ser Dom Quixote
não lute mas entenda a força dos moinhos
Vá ser “Amir Klink”, navegar
desvendar mares sombrios

Abrace aquela força agora
já que nenhuma lembrança te devora
Esqueça os manuais de sobrevivência
seja cobaia de sua própria experiência

Vá ser monge budista
sem se preocupar em alcançar o Nirvana
O Nirvana, o Nirvana, Ah Ah
Vá ser homem louco do deserto
caminhar junto guiar sua caravana

Ou abra o portal do tempo
E vá ser como “Morrell”
Andarilho das estrelas, das estrelas
Andarilho das estrelas, das estrelas...

AbraçoDasMinas

P.E. enviei ontem, por e-mail, conforme combinamos a letra de CREIA-ME.

Felipe Dib disse...

eu tenho um poema parecido com esse seu
fiquei ate com vergonha do meu...

=P

SAMANTHA ABREU disse...

muito bonito.
um modelo tradicional, mas com espírito muito renovado.

Gostei muito!

Beijos.

samia disse...

lindo, cá, clóvis!
lindo da imensidão do (a)mar.
beijo