terça-feira, junho 5

sutilezas

carece de dizer o que deseja
e beija o travesseiro a cada noite
finge a felicidade marejada
em olhos que me ditam desorientação

não diga que me ama assim tão vã
arrume as suas coisas e venha para mim
a casa é sua e eu sou teu
sem dizer sim, sem cerimônias

não diga que me ama, não precisa
dizer não é comprovação
sutilezas me descrevem teus sentidos
em meus ouvidos tantas palavras soam

porque nem tudo é poesia
e porque nem todo verso fala de amor
mas a essência que nos une mostra-se clara
dispensa perguntas, dispensa palavras

sentidos calejados pelo tempo
no não-dizer que mostra-se indecifrável
querer-te me soa o mais natural dos sentidos
e então naturalmente os dias passam...

diz mais o euteamo das minúcias
e eu digo e desdigo em cada gesto
me diz também em cada traço, em cada passo
diálogos moldados de beleza
caminhos se entrelaçam sob estrelas
em nosso encontro reinará a sutileza...

6 comentários:

fabio jardim disse...

sutil como uma porrada.
bonito, clóvis. bo-ni-to.

Ariane disse...

muito lindo!

...porque nem tudo é poesia,mas as vezes a vida é uma bela prosa...

beijo

diovvani mendonça disse...

Onde reina a sutileza, certamente brotará a flor da gentileza e esta meu caro - é da que cultivo em meu jardim. AbraçoDasMinas.

Marla de Queiroz disse...

Coisa linda, moço!
Sou sua fã...E este aí eu vi a semente desabrochando...rsrsr.

Beijos meus, seu lindo!

Janaína disse...

que estranho. Acabo de ler teu comentário, acabo de perder uma pessoa querida. Não sei o que escrever, nem sei o que restou... Voltarei aqui assim que estiver mais lúcida.

Mary disse...

Lindo lindo...

Sutil e doce...


;**